20 de junho de 2023

1. Receita registrou 159 mil autos de infração a menos em 2022

O jornal VALOR ECONÔMICO traz reportagem nesta terça-feira mostrando que, segundo dados do Relatório Anual de Fiscalização 2022-2023, as autuações da Receita Federal caíram de forma significativa em 2022, culminando no menor número dos últimos dez anos. Conforme o jornal, o fisco lavrou 249 mil autos de infração, contra 408 mil registrados em 2021. O valor total dessas autuações foi de R$ 136,7 bilhões – também uma queda (31,4%) na comparação com o ano anterior. Conforme tributaristas consultados pela reportagem, a paralisação de auditores como pressão para a regulamentação do bônus por produtividade “pode ser um dos motivos para a redução”.

Também no VALOR, reportagem afirma que o ministro Fernando Haddad aceitou destinar R$ 50 bilhões da arrecadação da União para o Fundo de Desenvolvimento Regional (FDR), como forma de viabilizar o apoio dos governadores à reforma tributária. No entanto, como anota o jornal, os estados seguem achando o montante baixo e fazem pressão para que o aporte da União seja de R$ 100 bilhões. Ainda de acordo com a reportagem, uma reunião com o objetivo de atingir um acordo será chamada pelo presidente da Câmara, Arthur Lira, que deseja aprovar o texto ainda em julho. Fonte: Jota Matinal

2. Vai a promulgação acordo Brasil-Uruguai para fim de dupla tributação sobre renda

O Plenário do Senado aprovou nesta quinta-feira (15) o texto da Convenção Brasil e Uruguai para Eliminar a Dupla Tributação em Relação aos Tributos sobre a Renda e sobre o Capital e Prevenir a Evasão e a Elisão Fiscais, assinado em Brasília, em junho de 2019. Relatado pela senadora Margareth Buzetti (PSD-MT), o PDL 161/2022 segue agora à promulgação.

Quando um residente dos dois países receber rendimentos ou possuir capital que, de acordo com as disposições da convenção, possam ser tributados no outro país, será o país de residência que vai permitir a dedução do Imposto de Renda, em um montante igual ao imposto sobre os rendimentos recebidos pelo outro Estado.

No parecer, Buzetti avalia que a iniciativa proporciona maior cooperação entre as administrações tributárias envolvidas, combate o planejamento tributário abusivo, previne a evasão fiscal e melhora o ambiente de negócios.

“A ausência de acordos de dupla tributação (ADTs) afeta a competitividade das empresas transnacionais brasileiras no exterior. A celebração desses tratados, bem como a uniformização da aplicação da rede de atos internacionais nesse sentido atualmente em vigor reduzirão obstáculos e aumentarão a segurança jurídica dos atores envolvidos”, diz a senadora em seu parecer.

A convenção se aplicará ao Imposto de Renda e à Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL). Do lado uruguaio, a medida se aplicará ao imposto sobre a renda das atividades econômicas, ao imposto sobre a renda das pessoas físicas, ao imposto sobre a renda dos não residentes, ao imposto de assistência à seguridade social e ao imposto sobre o patrimônio.

De acordo com documento do Itamaraty sobre o acordo, o texto reflete o equilíbrio entre os interesses dos dois países e atende aos objetivos centrais de instrumentos dessa natureza, que são eliminar ou minimizar a dupla tributação da renda e definir a competência tributária dos países contratantes em relação aos diversos tipos de rendimentos, melhorando a segurança jurídica e, assim, o ambiente de negócios.

Foram mantidos dispositivos tradicionais que visam, basicamente, à preservação do poder de tributação na fonte pagadora dos rendimentos originários do país, ainda que de forma não exclusiva, especialmente com relação aos serviços técnicos, assistência técnica e ganhos de capital, assim como aos rendimentos não especificamente mencionados no acordo. A convenção estabelece limites à tributação na fonte de dividendos, juros, royalties e serviços técnicos e de assistência técnica em patamares compatíveis com a rede de acordos. Um artigo específico trata do intercâmbio de informações entre as respectivas administrações tributárias conforme os padrões internacionalmente aceitos, aspecto relevante na luta contra a evasão fiscal.

Com a preocupação de se reduzirem as possibilidades de planejamento tributário considerado agressivo, o texto traz artigo que objetiva o combate à sonegação fiscal e o uso abusivo do acordo, deixando espaço para que a própria legislação tributária brasileira adote dispositivos com esse objetivo. Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado) Fonte: Agência Senado | 15/06/2023

Dúvidas? Entre em contato

Inscreva-se para receber atualizações por e-mail.

Nós respeitamos sua privacidade

Boletins Recentes