Justiça Federal suspende operação aprovada pelo Cade entre Ferrous e Vale

Uma sentença da Justiça Federal do Distrito Federal suspendeu a compra da Ferrous pela Vale, aprovada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) em 2019, até que seja apresentado um compliance ambiental pela Vale. A decisão atende a um pedido feito pela senadora Soraya Thronicke (PSL-MS) em ação popular proposta em decorrência dos danos causados pelo rompimento da barragem da Vale em Brumadinho, em janeiro de 2019. Cabe recurso.

Na ação, a senadora pede que a Vale adquira a Ferrous apenas se demonstrar que está cumprindo sua função social, diante dos desastres de Brumadinho. O pedido é para que a Vale não se expanda no país sem observar sua função social.

A Vale pediu a extinção da ação, sem julgamento de mérito, indicando que o Cade, “fazendo o que a ele cabia fazer”, examinou tecnicamente todas as questões concorrenciais do negócio, e concluiu pela aprovação da aquisição.

Na sentença, a juíza federal substituta da 5ª Vara Federal do Distrito Federal, Diana Wanderlei, condiciona a aprovação da mineradora Ferrous pela Vale à apresentação de compliance ambiental pela empresa, a ser aprovada pela União.

De acordo com a sentença, até a aprovação do compliance ambiental da Vale ela não pode efetivar nenhuma medida de aquisição da Ferrous. No processo, a Ferrous alegou que a incorporação das empresas já foi concluída, em 30 de abril de 2020, com o registro oficial da incorporação perante a Junta Comercial do Estado de Minas Gerais.

Repercussão

A Vale ainda não foi intimada da decisão e informou em nota que se manifestará sobre o assunto em juízo. A empresa destaca que a aquisição da Ferrous seguiu os trâmites legais e conta, inclusive, com aprovação do Cade.

A operação foi aprovada pelo Cade em junho de 2019 sem restrições. Para Pedro Paulo Salles Cristofaro, diretor de contencioso e arbitragem do Instituto Brasileiro de Estudos de Concorrência, Consumo e Comércio Internacional (Ibrac) e sócio do Chediak Advogados, parece um grande equívoco condicionar a aprovação de uma operação pelo Cade ao exame de questões ambientais.

“O Cade não tem expertise para fazer esse exame, que foge a sua competência institucional de proteger a livre concorrência. Seria o mesmo que obrigar o Ibama a, ao examinar o licenciamento de um empreendimento, analisar questões concorrenciais. Cada órgão tem suas competências, e é importante que essas competências sejam respeitadas”, afirmou. Fonte: Valor Econômico – 03/01/2022

  • 1. Com menos recursos para capitais, estados definirão novas regras para ICMS. Leia Mais
  • 2. Justiça Federal suspende operação aprovada pelo Cade entre Ferrous e Vale. Leia Mais
  • 3. Tribunais condenam empresas que submetem empregado a situação vexatória. Leia Mais
  • 4. Projeto no Senado altera regras de julgamentos. Leia Mais

Dúvidas? Entre em contato

Inscreva-se para receber atualizações por e-mail.

Nós respeitamos sua privacidade

Inscreva-se para receber atualizações por e-mail.

Nós respeitamos sua privacidade

FCR Law – Fleury, Coimbra & Rhomberg Advogados é um escritório de advocacia dinâmico que assessora empresas nacionais e internacionais, empreendedores e investidores nos ramos mais importantes do direito brasileiro. Nós buscamos proporcionar um serviço de alto nível de qualidade e estabelecer relações de longo prazo com nossos clientes e parceiros. Nossa gama de clientes abrange desde start ups tecnológicas até fabricantes internacionais e instituições financeiras.

FCR Law está trabalhando para manter nossos clientes informados e disponibilizar os nossos serviços para auxiliar as empresas neste momento difícil.

Eduardo Fleury, Sócio Fundador

FCR Law – Fleury, Coimbra & Rhomberg Advogados

Rua do Rocio 350, 10º andar

Vila Olímpia, São Paulo – Brasil

+55 11 3294-1600

info@fcrlaw.com.br

Copyright FCR Law 2021 © Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Tarrafa Digital Studio