FCR Law News

Mulheres enfrentam dificuldades para obter medidas protetivas no Judiciário

Mulheres vítimas de violência doméstica têm enfrentado dificuldades na Justiça para obter, com urgência, o direito ao teletrabalho, ao divórcio, receber pensão alimentícia ou conquistar a guarda unilateral dos filhos, entre outras medidas de proteção de caráter cível. Há poucas varas e juizados especializados no país e, embora há 16 anos a Lei Maria da Penha (nº 11.340/2006) estabeleça que a competência seja híbrida, a atuação dessas unidades tem se limitado a questões penais, segundo especialistas, o que, na prática, revela-se insuficiente.

O cerne da atual discussão são os artigos 14 e 33 da Lei nº 11.340. O 14 determina que “os Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, órgãos da Justiça Ordinária com competência cível e criminal, poderão ser criados pela União, no Distrito Federal e nos Territórios, e pelos Estados, para o processo, o julgamento e a execução das causas decorrentes da prática de violência doméstica e familiar contra a mulher”. Já o 33 impõe que, enquanto não estruturados esses juizados, “as varas criminais acumularão as competências cível e criminal”.

Essas determinações ainda não estão sendo cumpridas à risca pelo Judiciário. Há no país, segundo o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), apenas 145 varas e juizados especializados. No Estado de São Paulo, de acordo com o Tribunal de Justiça (TJSP), são 20 varas e 10 anexos – que têm uma estrutura menor do que a das varas, mas também menos custos.

“Essas varas e juizados recebem anualmente quatro vezes mais processos do que varas criminais comuns e o dobro das varas de família”, afirma o juiz federal Marcio Luiz Coelho de Freitas, supervisor de política judiciária nacional de enfrentamento da violência contra a mulher no CNJ. “Isso indica que varas abarrotadas ficariam ainda mais abarrotadas com a competência híbrida”, acrescenta ele, que defende o aumento no número de unidades para que se garanta uma atuação híbrida.

Sem uma estrutura adequada, as mulheres vítimas de violência têm encontrado barreiras no Judiciário. De acordo com levantamento do escritório Mattos Filho, 72% dos pedidos de medidas protetivas de urgência de caráter cível feitos pela banca entre 2019 e 2022, no Estado de São Paulo, foram indeferidos.

Ao ficarem restritas a medidas protetivas da esfera penal – como proibição de contato entre a mulher e o ex-companheiro e a suspensão de porte de arma dele – essas unidades especializadas acabam por deixar a mulher sob risco. Esse drama é acompanhado de perto por uma equipe pro bono do escritório Mattos Filho.

A banca tem um acordo com a Defensoria Pública do Estado de São Paulo e a Fundação Francisca Franco, que atende mulheres em situação de vulnerabilidade econômica e social. Em 90% desses casos há violência doméstica.

As medidas protetivas são pedidas conforme os relatos dessas mulheres. É comum o uso da guarda dos filhos ou a visita para a manutenção da violência contra a mulher, assim como a recusa em devolver criança, que acaba também vítima dessa violência. Além do uso da dependência econômica da mulher em relação ao marido para mantê-la submissa.

Para as advogadas Flavia Regina de Souza Oliveira e Letícia Ueda Vella, da área de pro bono do Mattos Filho, se não há bens a partilhar, o divórcio ou a dissolução de união estável são medidas cíveis essenciais para a segurança da mulher e filhos.

“A gente vai perante a vara específica de violência doméstica e pede a proteção para essa mulher, mas não é reconhecido esse direito porque não viram ali conexão com a vara específica”, diz Flávia. “Temos que propor recurso na câmara criminal, mas lá o desembargador devolve o caso para uma câmara de direito privado [cível] e, com isso, leva-se meses”, acrescenta Leticia.

Nesse meio tempo, num dos casos atendidos pelas advogadas, foi reportado 12 vezes que o companheiro continuava com atos violentos contra a mulher. Em outro processo, foi solicitada a guarda unilateral dos filhos, também vítimas da violência, e nove meses depois ainda não há uma solução.

No início do ano, o Mattos Filho começou uma litigância estratégica. “Caso a caso insistimos na argumentação da competência híbrida das varas especializadas e um primeiro recurso deve subir para o STJ [Superior Tribunal de Justiça]”, afirma Flávia. Hoje, a banca atua em 47 casos de medidas protetivas de urgência.

Os mesmos problemas são relatados por Tatiana Campos Bias Fortes, coordenadora do Núcleo de Promoção e Defesa dos Direitos das Mulheres da Defensoria de São Paulo. “A Lei Maria da Penha criou uma Justiça híbrida, tanto penal quanto cível, mas em São Paulo as varas são quase penais”, diz.

Na prática, segundo a defensora pública, dificulta-se o acesso ao Judiciário. “A mulher tem que relatar e reviver a própria história de violência diversas vezes, nas esferas de família, penal e cível”, afirma Tatiana. “Ela tem o direito de optar por não fazer denúncia de crime e, ainda assim, pedir medida protetiva, mas um pedido de afastamento do trabalho, por exemplo, terá que ser autonômo”, acrescenta.

No caso de o pedido ser negado, surge um novo problema: saber qual é o recurso cabível (agravo de instrumento, recurso em sentido estrito, apelação ou mandado de segurança). A Defensoria Pública protocolou instauração de Incidente de Demanda Repetitiva (IRDR) para uma definição no Estado, que foi negada. Como o recurso especial da defensoria ao STJ também não foi admitido, o órgão interpôs agravo, que está em processamento (processo nº 2044935-96.2020.8.26.0000).

Para tentar mudar a situação, o CNJ, a pedido da Associação dos Magistrados do Brasil (AMB), está realizando um estudo para o aumento no número de varas e juizados especializados no país. “A partir desse levantamento, faremos reuniões com os tribunais para tentar sensibilizá-los a criar novas unidades”, diz o juiz Marcio Luiz Coelho de Freitas.

A violência doméstica, segundo especialistas, também tem impactado as empresas. João Daniel Rassi, do Siqueira Castro Advogados, afirma que, com o isolamento social provocado pela pandemia e o home office misturando os ambientes de família e trabalho, a banca começou a fazer um trabalho pro bono para orientar as empresas sobre como agir, caso um colaborador seja vítima ou autor de violência doméstica.

“A lei prevê, no parágrafo 2º do artigo 9, a manutenção do vínculo quando necessário a mulher se afastar do trabalho por até seis meses”, diz Rassi. “A pandemia e os fatores ESG [ambiental, social e governança, em inglês] chamaram a atenção das empresas para a legislação.”

De acordo com Rassi, houve uma série de denúncias na pandemia e as empresas não sabiam como lidar. “A orientação jurídica ou psicológica para essa mulher tem um custo”, afirma. “Mas empresas passaram a incluir a questão na sua política institucional e programas de compliance por conta do ESG.” Fonte: Valor Econômico – Por Laura Ignacio — De São Paulo 18/08/2022

  • 1. STJ autoriza revisão de aluguel e plano de saúde. Leia Mais
  • 2. STJ vai dar a última palavra sobre IR e CSLL em rendimentos de aplicações financeiras. Leia Mais
  • 3. Mulheres enfrentam dificuldades para obter medidas protetivas no Judiciário. Leia Mais

Dúvidas? Entre em contato

Inscreva-se para receber atualizações por e-mail.

Nós respeitamos sua privacidade