Pane no WhatsApp: Ibraci entra com ação na Justiça contra Facebook

O Instituto Brasileiro de Cidadania (Ibraci) ingressou com uma ação civil pública nesta terça-feira contra o Facebook, proprietário também dos aplicativos WhatsApp Instagram, que ficaram fora do ar por mais de seis horas na segunda-feira.

Além disso, também nesta terça-feira, o Procon-SP notificou o WhatsApp por causa do apagão global.

Leia mais: Procon SP notifica Facebook por apagão no WhasApp, prevê multa e diz que só ‘terremoto’ isentaria por apagão

No processo (0224081-89.2021.8.19.0001), que tramita na 2ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro, o Ibraci argumenta que “o prejuízo das pessoas físicas e jurídicas, desde pequenos empreendedores individuais a grandes sociedades empresárias, foi imenso e jamais visto antes”.

E pede o pagamento de dano moral coletivo, em valor a ser fixado pelo juiz, que será destinado ao Fundo de Defesa dos Direitos Difusos.

“Pedimos ainda a condenação do Facebook ao pagamento de compensação por danos morais individuais e de indenização por danos materiais individuais a todos os usuários do WhatsApp, Instragram e Facebook no Brasil, pessoas físicas ou jurídicas que utilizam esses aplicativos com o fim de comercializar produtos ou serviços e que tiveram prejuízo fruto da inoperância do sistema”, diz o advogado Gabriel Britto, do escritório Jund Advogados Associados, que representa o Ibraci no processo.

Para o advogado, apesar de tratar-se de serviço gratuito para as pessoas físicas, tal aspecto não retira do WhatsApp o enquadramento como fornecedor na relação de consumo.

“E, presente a conduta danosa consubstanciada na falha na prestação de serviço, havendo a comprovação do dano material pelo usuário e havendo o nexo de causalidade, o liame entre o dano e a falha na prestação de serviço viciada, configurada está a responsabilidade civil do causador do dano”, justifica a entidade no processo.

O advogado afirma que, em caso e êxito, no momento da execução, os consumidores lesados deverão demonstrar que o seu negócio é alavancado por publicidade nos aplicativos; que a relação com os clientes se dá através do WhatsApp, Direct ou do Messenger; que os negócios se viabilizam por meio destes aplicativos; qual é a sua média de faturamento diária e qual foi o faturamento no dia da pane.

Leia mais: WhatsApp fora do ar: Varejo perde venda e Amazon paralisa ações de marketing

“Caso haja a comprovação de prejuízo devido à inoperância do sistema do aplicativo, é devida indenização para a reparação do dano”, afirma Britto.

“Muitas pessoas sofreram prejuízos em razão da prestação deficiente de serviço e o Procon quer saber qual a causa que levou a essa pane”, diz Fernando Capez, diretor executivo Procon-SP em vídeo divulgado pela assessoria de imprensa do órgão.

De acordo com ele, apenas um “evento muito forte”, como um terremoto, poderia isentar o WhatsApp de responsabilidade. “Falhas internas não eximem a responsabilidade da prestadora de serviços.”

Procurado pelo Valor, o Facebook não comentou o processo judicial nem a notificação do Procon-SP. Em nota divulgada pela assessoria de imprensa, a empresa afirma que serviços estão novamente on-line e que está trabalhando para retornar totalmente às operações regulares.

“Queremos deixar claro que não houve atividade maliciosa por trás deste incidente – a causa raiz da interrupção foi uma falha na mudança de configuração.”

Disse ainda que entende o impacto que interrupções como essas têm na vida das pessoas. “Pedimos desculpas a todos os que foram afetados e estamos trabalhando para entender mais sobre o que aconteceu para que possamos continuar a tornar nossa infraestrutura mais resiliente”, finaliza a nota. Fonte: Valor Econômico – Por Gilmara Santos — São Paulo 05/10/2021

  • 1. ICMS incidente em combustíveis é alvo de disputas com Estados. Leia Mais
  • 2. Empresas gastam R$ 180 bilhões por ano com burocracia tributária. Leia Mais
  • 3. Relator da tributária propõe IVA dual e substituição do IPI. Leia Mais
  • 4. Marketplace só deve recolher IR sobre taxa paga por lojista. Leia Mais
  • 5. STJ é contrário à exclusão da CPRB do PIS e da Cofins. Leia Mais
  • 6. Pane no WhatsApp: Ibraci entra com ação na Justiça contra Facebook. Leia Mais
  • 7. TRT: Empregado transgênero tem direito a intervalo de descanso destinado a mulheres. Leia Mais

Dúvidas? Entre em contato

Inscreva-se para receber atualizações por e-mail.

Nós respeitamos sua privacidade

Inscreva-se para receber atualizações por e-mail.

Nós respeitamos sua privacidade

FCR Law – Fleury, Coimbra & Rhomberg Advogados é um escritório de advocacia dinâmico que assessora empresas nacionais e internacionais, empreendedores e investidores nos ramos mais importantes do direito brasileiro. Nós buscamos proporcionar um serviço de alto nível de qualidade e estabelecer relações de longo prazo com nossos clientes e parceiros. Nossa gama de clientes abrange desde start ups tecnológicas até fabricantes internacionais e instituições financeiras.

FCR Law está trabalhando para manter nossos clientes informados e disponibilizar os nossos serviços para auxiliar as empresas neste momento difícil.

Eduardo Fleury, Sócio Fundador

FCR Law – Fleury, Coimbra & Rhomberg Advogados

Rua do Rocio 350, 10º andar

Vila Olímpia, São Paulo – Brasil

+55 11 3294-1600

info@fcrlaw.com.br

Copyright FCR Law 2021 © Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Tarrafa Digital Studio