Reforma do IR fica para setembro; Guedes vai se reunir com oposição

O adiamento da votação do projeto de lei que reforma o Imposto de Renda já sofreu ontem um prolongamento, após o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros, agora estimar que o assunto deverá ir a plenário em duas semanas. Enquanto isso, como também informam os principais jornais, segue a movimentação política para se chegar a um texto que consiga receber o aval dos deputados.

Segundo reportagem do VALOR ECONÔMICO, o ministro Paulo Guedes “convidou os partidos de oposição para reunião na terça-feira para tratar do projeto”. O convite foi feito em ligação direta de Guedes para o líder dos opositores do governo na Câmara, deputado Alessandro Molon (PSB-RJ). Esse grupo concorda com o governo quanto à tributação de dividendos, mas se opõe, entre outros pontos, à ausência de progressividade na medida e à restrição da declaração simplificada do IRPF, a depender da renda do contribuinte.

Sobre a questão da progressividade, reportagem no jornal O ESTADO DE S. PAULO traz a informação de que uma emenda do PSDB nesse sentido “tem ganhado apoio nos bastidores do Congresso Nacional”. A emenda, como explica o jornal, prevê uma cobrança inicial de 10%, em 2022, e subindo para seu valor final, 15%, em 2023 – a alíquota final, portanto, ficaria abaixo do proposto pelo governo (20%). Outro ponto da emenda é que os dividendos relativos a lucros registrados até o final deste ano seguiriam isentos.

Na FOLHA DE S.PAULO, reportagem relata que, conforme parlamentares, o ministro Paulo Guedes “está ‘desgostoso’ com a falta de acordo e demonstra preocupação com o caminho das discussões no Congresso”. “Entre os integrantes do time de Guedes, é mencionado que a quantidade de mudanças e a ampliação de isenções estaria fazendo o texto se distanciar até mesmo do projeto que a Receita Federal elaborou originalmente”, anota o jornal.

Ainda sobre a reforma do IR, a coluna Painel S/A, da FOLHA, mostra a opinião do ex-senador Armando Monteiro, ex-presidente da CNI e hoje conselheiro emérito da entidade industrial. Segundo ele, o projeto “ficou absolutamente inconsistente no seu conjunto e do ponto de vista da indústria e dos setores produtivos”, e “está longe de estar aceitável”. Para Monteiro, ele nem sequer deveria ir à votação, sendo direcionado para discussão mais profunda em comissão especial. Fonte: Jota Matinal

  • 1. Reforma do IR fica para setembro; Guedes vai se reunir com oposição. Leia Mais
  • 2. Empresa de software obtém direito à imunidade tributária. Leia Mais
  • 3. TST admite possibilidade de venda de créditos trabalhistas. Leia Mais
  • 4. STJ define prazo para pagamento de credores trabalhistas na recuperação judicial. Leia Mais

Dúvidas? Entre em contato

Inscreva-se para receber atualizações por e-mail.

Nós respeitamos sua privacidade

Inscreva-se para receber atualizações por e-mail.

Nós respeitamos sua privacidade

FCR Law – Fleury, Coimbra & Rhomberg Advogados é um escritório de advocacia dinâmico que assessora empresas nacionais e internacionais, empreendedores e investidores nos ramos mais importantes do direito brasileiro. Nós buscamos proporcionar um serviço de alto nível de qualidade e estabelecer relações de longo prazo com nossos clientes e parceiros. Nossa gama de clientes abrange desde start ups tecnológicas até fabricantes internacionais e instituições financeiras.

FCR Law está trabalhando para manter nossos clientes informados e disponibilizar os nossos serviços para auxiliar as empresas neste momento difícil.

Eduardo Fleury, Sócio Fundador

FCR Law – Fleury, Coimbra & Rhomberg Advogados

Rua do Rocio 350, 10º andar

Vila Olímpia, São Paulo – Brasil

+55 11 3294-1600

info@fcrlaw.com.br

Copyright FCR Law 2021 © Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Tarrafa Digital Studio