Relatório sobre IR pode aumentar corte no IRPJ para 12,5 p.p.

Expectativa nesta terça-feira para a apresentação, aos líderes partidários, de relatório do deputado federal Celso Sabino sobre a reforma do Imposto de Renda. Diversas modificações devem ser feitas ao texto entregue pelo governo federal, que vem sendo objeto de críticas de diferentes setores empresariais e de especialistas em tributação.

Segundo reportagem do jornal O ESTADO DE S. PAULO, o relatório de Sabino “deve manter a taxação sobre a distribuição de lucros e dividendos a acionistas, mas dar um alívio ainda maior às empresas”. Esses pontos estão sendo negociados com a área econômica, conforme a reportagem. Um dos pontos que está sendo cogitado é o aumento para 12,5 pontos percentuais no corte do IRPJ – ante cinco pontos da proposta original, divididos em dois anos. Outro ponto, afirma o jornal, é manter a tributação sobre dividendos, mas com garantia de distribuição desses recursos para estados e municípios.

Os jornais também trazem declarações do relator indicando que seu parecer irá propor uma redução consolidada da carga do Imposto de Renda na ordem de R$ 20 bilhões. “Estou fazendo as contas para finalizar e devemos prever uma redução total da carga de R$ 20 bilhões”, disse ao ESTADÃO, já considerando o saldo final dos acréscimos e reduções no IR.

Na FOLHA DE S.PAULO, reportagem registra o posicionamento da Receita Federal em relação às informações que davam conta de que o fisco é que comandou a elaboração da proposta original do governo federal. Claudemir Malaquias, chefe do Centro de Estudos Tributários e Aduaneiros da Receita Federal, negou e afirmou que a medida teve o aval do Ministério da Economia, da Casa Civil e da Presidência da República. “Por ter todos os dados, ficou fácil atribuir à Receita todas as características da reforma. Mas elas foram apontadas e apresentadas às demais áreas do ministério. A reforma é uma proposta do Ministério da Economia, não da Receita”, afirmou Malaquias.

Por fim, o VALOR ECONÔMICO informa que o presidente Jair Bolsonaro tem até amanhã para decidir sobre eventual veto de artigo que acaba com a isenção de PIS e Cofins na importação de petróleo, lubrificantes e combustíveis por empresas sediadas na Zona Franca de Manaus. Esse dispositivo foi   incluído por parlamentares em medida provisória. “A tendência, segundo apurou o Valor com fontes do Palácio do Planalto, era Bolsonaro sancionar a medida, mas não havia decisão ainda”, anota o jornal. A bancada amazonense afirma que, caso o artigo não seja vetado, irá recorrer ao STF. Fonte: Jota

  • 1. Relatório sobre IR pode aumentar corte no IRPJ para 12,5 p.p.. Leia Mais
  • 2. Credor pode cobrar dívida integral de empresa em recuperação judicial. Leia Mais
  • 3. São Paulo negocia R$ 143 milhões com contribuintes. Leia Mais
  • 4. MP pede indenização de R$ 2 milhões a casal que recebeu três doses de vacina. Leia Mais

Dúvidas? Entre em contato

Inscreva-se para receber atualizações por e-mail.

Nós respeitamos sua privacidade

Inscreva-se para receber atualizações por e-mail.

Nós respeitamos sua privacidade

FCR Law – Fleury, Coimbra & Rhomberg Advogados é um escritório de advocacia dinâmico que assessora empresas nacionais e internacionais, empreendedores e investidores nos ramos mais importantes do direito brasileiro. Nós buscamos proporcionar um serviço de alto nível de qualidade e estabelecer relações de longo prazo com nossos clientes e parceiros. Nossa gama de clientes abrange desde start ups tecnológicas até fabricantes internacionais e instituições financeiras.

FCR Law – Fleury, Coimbra & Rhomberg Advogados

Rua do Rocio 350, 10º andar

Vila Olímpia, São Paulo – Brasil

+55 11 3294-1600

info@fcrlaw.com.br

Copyright FCR Law 2021 © Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Tarrafa Digital Studio