STF: ministros votam para derrubar decisões favoráveis aos contribuintes

Supremo Tribunal Federal (STF) começou a julgar, nesta sexta-feira (06), se decisões que favorecem os contribuintes perdem o efeito, de forma imediata e automática, quando há mudança de jurisprudência na Corte. A discussão é uma das mais importantes da área tributária. Tem impacto para todos os processos que discutem pagamento de tributos.

O julgamento é realizado no Plenário Virtual por meio de duas ações – são os chamados “processos da coisa julgada“. Uma tem como relator o ministro Luís Roberto Barroso e a outra o ministro Edson Fachin. Eles votaram de forma semelhante.

Entendem que há quebra automática da decisão. Ou seja, o contribuinte que discutiu a cobrança de determinado tributo na Justiça e teve a sua ação encerrada (sem mais possibilidade de recurso) a seu favor – autorizando a deixar de pagar – perderá esse direito se, tempos depois, o Supremo Tribunal Federal julgar o tema e decidir que a cobrança é devida.

Ponderaram, no entanto, que a perda desse direito não seria imediata. A decisão do STF, validando a cobrança, se assemelha, nesses casos, à criação de um novo tributo e, a depender do tributo que estiver em análise, tem de ser respeitada a noventena e a anterioridade anual.

Esse entendimento valeria somente para os julgamentos em repercussão geral ou por meio de ação direta de inconstitucionalidade, que vinculam todo o Judiciário do país.

“Assim, tem-se que a publicação da ata de julgamento em controle concentrado ou em controle difuso em repercussão geral equivale ao primeiro dia de vigência da nova norma, que produzirá efeitos após os referidos períodos de vacatio legis, garantias fundamentais dos contribuintes que asseguram certo grau de segurança jurídica”, disse o ministro Barroso em seu voto.

Efeito automático

Mas já há divergência em relação a esse posicionamento. O ministro Gilmar Mendes depositou voto nesta manhã. Ele entende que a quebra da decisão que favorece o contribuinte deve ser automática e imediata.

Advogados de contribuintes estão entendendo que o ministro permite ao Fisco, inclusive, cobrar valores que deixaram de ser recolhidos pelo contribuinte enquanto estiveram amparados pela decisão. “Ele não está garantido o passado. Esse entendimento, se prevalecer, vai causar enorme instabilidade jurídica”, diz Tiago Conde, sócio do escritório Sacha Calmon.

Impacto

Os casos que estão em pauta envolvem a CSLL. Logo que foi instituída, no ano de 1988, muitos contribuintes foram à Justiça e obtiveram decisões definitivas contra a cobrança – que perduram até os dias de hoje.

A Receita Federal entende que essas decisões perderam a validade depois que o STF decidiu pela constitucionalidade do tributo, em 2007, e exige os pagamentos desde então.

Advogados de contribuintes, porém, defendem que nesses casos seria necessária uma ação rescisória. O Fisco teria que entrar na Justiça com pedido para desconstituir a decisão transitada em julgado e só depois, se atendido, poderia iniciar a cobrança.

A decisão dos ministros, por se dar em sede de repercussão geral, não ficará restrita à CSLL. Será aplicada a todos os processos que discutem tributos pagos de forma continuada. O julgamento está previsto para se encerrar no dia 13. Oito ministros ainda precisam votar (RE 949297 e RE 955227). Fonte: Valor Econômico – Por Joice Bacelo, Valor — Rio 06/05/2022

  • 1. TJSP condena empresas que usam links patrocinados na internet. Leia Mais
  • 2. Alexandre de Moraes suspende redução de IPI de produtos também fabricados na Zona Franca de Manaus. Leia Mais
  • 3. STF: ministros votam para derrubar decisões favoráveis aos contribuintes. Leia Mais
  • 4. O que muda para os consumidores com as novas regras do SAC?. Leia Mais
  • 5. Carf retira processos sobre ágio da pauta da próxima semana. Leia Mais
  • 6. Carf define prazo para Receita analisar uso de prejuízo fiscal. Leia Mais

Dúvidas? Entre em contato

Inscreva-se para receber atualizações por e-mail.

Nós respeitamos sua privacidade

Inscreva-se para receber atualizações por e-mail.

Nós respeitamos sua privacidade

FCR Law – Fleury, Coimbra & Rhomberg Advogados é um escritório de advocacia dinâmico que assessora empresas nacionais e internacionais, empreendedores e investidores nos ramos mais importantes do direito brasileiro. Nós buscamos proporcionar um serviço de alto nível de qualidade e estabelecer relações de longo prazo com nossos clientes e parceiros. Nossa gama de clientes abrange desde start ups tecnológicas até fabricantes internacionais e instituições financeiras.

FCR Law está trabalhando para manter nossos clientes informados e disponibilizar os nossos serviços para auxiliar as empresas neste momento difícil.

Eduardo Fleury, Sócio Fundador

FCR Law – Fleury, Coimbra & Rhomberg Advogados

Rua do Rocio 350, 10º andar

Vila Olímpia, São Paulo – Brasil

+55 11 3294-1600

info@fcrlaw.com.br

Copyright FCR Law 2021 © Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Tarrafa Digital Studio