STF se divide sobre penhora de bem de família em aluguel comercial

Está empatado, no Supremo Tribunal Federal (STF), o julgamento em que a Corte vai decidir se locadores de imóveis comerciais podem penhorar bem de família do fiador para garantir o recebimento de valores em aberto.

Depois de oito votos proferidos hoje, o julgamento foi suspenso. Não há previsão de quando será retomado.

Os ministros julgam o tema por meio de um recurso apresentado por um fiador contra decisão do Tribunal de São Paulo (TJ-SP). Os desembargadores permitiram a penhora de um imóvel, o único bem da família, para a quitação do contrato de aluguel.

O fiador afirma, no processo, que a locação comercial tem que ser tratada de forma diferente da locação residencial – situação em que os ministros permitiram a penhora de bem de família. Segundo ele, o direito à moradia, que valeria tanto para o fiador como para o dono do imóvel residencial, se aplica a esse caso.

Leia mais: Turmas do STF negam penhora de imóvel de fiador em contrato de aluguel comercial

“Aqui, temos de um lado o princípio da dignidade da pessoa humana, a proteção à família e o direito constitucional à moradia e, de outro, a iniciativa privada”, reforçou aos ministros o advogado Rafafel Silvestrini, que atua para o fiador no caso, quando o julgamento foi iniciado, em sessão anterior.

Representante da empresa que cobra a penhora, o advogado Admar Gonzaga, afirmou aos ministros, por outro lado, que a lei não faz distinção entre as modalidades de locação. Disse que o fiador é o principal sócio da companhia devedora e que “de livre vontade e arbítrio” deu o bem em garantia.

Empresas que atuam no setor de locação afirmam que cerca de 90% dos contratos de aluguel firmados com micro, pequenas e médias empresas têm a fiança como garantia. Com eventual decisão contra a penhora a situação vai mudar e pode resultar em encarecimento dos alugueis.

No STF, o tema é julgado em repercussão geral, ou seja, a decisão dos ministros tem de ser replicada a todos os demais processos em tramitação no país (RE 1307334).

Só no STF são 146 recursos extraordinários de fiadores contra decisões do TJ-SP sobre essa mesma matéria. No país, há 236 processos sobre o assunto com o andamento interrompido.

A Lei nº 8.009, de 1990, prevê exceções à impenhorabilidade do bem de família. Uma delas (artigo 3, inciso VII) estabelece que a impenhorabilidade é oponível em qualquer processo de execução civil, fiscal, previdenciária, trabalhista ou de outra natureza, salvo se movida por obrigação decorrente de fiança concedida em contrato de locação.

“A finalidade é não restringir a possibilidade de fiança em locação daqueles fiadores que se apresentassem com um único imóvel”, explicou o relator da ação no STF, ministro Alexandre de Moraes.

O relator lembrou do julgamento do tema 295 em que o STF decidiu que é constitucional penhora de bem de família e distinguiu do caso concreto, de locação comercial.

Para Moraes, a previsão legal não faz distinção quanto a locação residencial ou comercial para excepcionar a penhorabilidade do bem de família do fiador. “Se a intenção do legislador fosse restringir a possibilidade de penhora do fiador à locação residencial teria feito essa ressalva”, afirmou.

O voto de Moraes foi acompanhado pelos ministros Luís Roberto Barroso, Kassio Nunes Marques e Dias Toffoli.

Divergiram os ministros Edson FachinRosa WeberRicardo Lewandowski e Cármen Lúcia.

A possibilidade de penhora do único imóvel residencial familiar na locação comercial esvaziaria o conteúdo do direito à moradia e atingiria seu núcleo essencial já que o direito à moradia prevalece em relação à livre iniciativa, que pode ser protegida de outras formas, segundo o voto divergente de Fachin.

O ministro citou precedentes das duas turmas da Corte nesse sentido.

“Certamente todos conhecemos alguém que prestou fiança ou aval para amigo em dificuldade financeira para depois enfrentar dissabores indesejados”, afirmou o ministro Ricardo Lewandowski. Fonte: Valor Econômico – Por Beatriz Olivon — Brasília

  • 1. Justiça autoriza contribuinte a recolher valor fixo de ISS. Leia Mais
  • 2. ‘Quero que o dono da empresa pague o imposto’, diz Paulo Guedes. Leia Mais
  • 3. Empresas em recuperação obtêm financiamentos que somam R$ 3 bi. Leia Mais
  • 4. Árbitro pode recolher imposto pela pessoa jurídica, decide Carf. Leia Mais
  • 5. STF se divide sobre penhora de bem de família em aluguel comercial. Leia Mais
  • 6. MP limita pagamento de bônus a empregado. Leia Mais

Dúvidas? Entre em contato

Inscreva-se para receber atualizações por e-mail.

Nós respeitamos sua privacidade

Inscreva-se para receber atualizações por e-mail.

Nós respeitamos sua privacidade

FCR Law – Fleury, Coimbra & Rhomberg Advogados é um escritório de advocacia dinâmico que assessora empresas nacionais e internacionais, empreendedores e investidores nos ramos mais importantes do direito brasileiro. Nós buscamos proporcionar um serviço de alto nível de qualidade e estabelecer relações de longo prazo com nossos clientes e parceiros. Nossa gama de clientes abrange desde start ups tecnológicas até fabricantes internacionais e instituições financeiras.

FCR Law está trabalhando para manter nossos clientes informados e disponibilizar os nossos serviços para auxiliar as empresas neste momento difícil.

Eduardo Fleury, Sócio Fundador

FCR Law – Fleury, Coimbra & Rhomberg Advogados

Rua do Rocio 350, 10º andar

Vila Olímpia, São Paulo – Brasil

+55 11 3294-1600

info@fcrlaw.com.br

Copyright FCR Law 2021 © Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Tarrafa Digital Studio