STJ decide a favor da Eletrobras em disputa de R$ 11 bilhões

A 1ª Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) barrou hoje uma cobrança de R$ 11 bilhões contra a Eletrobras. Os ministros bateram o martelo sobre a correção dos empréstimos compulsórios.

Derrubaram uma decisão da própria Corte, proferida em 2019, que havia autorizado o pagamento cumulado de juros remuneratórios e de mora sobre os valores a serem devolvidos aos consumidores.

Leia mais: Fundos imobiliários no pós-pandemia
O empréstimo compulsório foi criado nos anos 1960 para o governo federal ter recursos para expandir o setor elétrico. A contribuição era exigida na conta de luz de grandes usuários, com consumo superior a dois mil quilowatts/hora (kWh) por mês.

A cobrança ocorreu até 1993. Esses consumidores, depois, tiveram o direito de converter o que pagaram em ações da Eletrobras.

No julgamento encerrado hoje, a estatal, por meio de embargos de declaração, contestava o pagamento cumulado de juros remuneratórios e de mora sobre os valores a serem devolvidos aos consumidores. Havia discussão também sobre o período de incidência da correção dos compulsórios.

A Eletrobras questionava uma decisão tomada pela 1ª Seção do STJ, em junho de 2019. Naquela ocasião, os ministros decidiram, por cinco votos a quatro, que os juros remuneratórios, de 6% ao ano, são devidos juntamente com os de mora (Selic). Determinou ainda que a correção deve ser aplicada até o efetivo pagamento dos valores não convertidos em ações — e não até 2005, ano da última assembleia de conversão, como pedia a estatal do setor elétrico (EAREsp 790288).

Leia mais: Conta do compulsório fica com a Eletrobras
Os juros remuneratórios foram previstos na Lei nº 1.512, de 1976, que alterou a legislação do empréstimo compulsório instituído em favor da Eletrobras.

No início do julgamento, em março de 2020, o relator do caso, ministro Gurgel de Faria, rejeitou o questionamento da Eletrobras. Foi acompanhado pelos ministros Og Fernandes e Napoleão Nunes Maia Filho, que já se aposentou. Hoje, aderiu à corrente a ministra Regina Helena Costa, última a votar.

Mas prevaleceu o entendimento inaugurado pelo ministro Sérgio Kukina, que apontou erros na decisão de 2019 e aceitou o recurso da estatal. Ele foi seguido pelos ministros Herman Benjamin, Francisco Falcão e Mauro Campbell Marques.

Votos de hoje

Na sessão de hoje, a ministra Assusete Magalhães – que havia pedido vista do caso há um ano – também entendeu que há erros de pressupostos no acórdão favorável à empresa Decoradora Roma, empresa que pleiteava a cumulação dos juros.

Os ministros diferenciaram duas situações: a de consumidores que converteram os créditos em ações, mas por um erro no cálculo pela Eletrobras ainda têm valores a receber daqueles consumidores impossibilitados de converter os créditos em ações. Existe a situação em que, na conversão, os créditos não correspondem a um número interno de ações e sobra um saldo. Esse residual deve ser remunerado em dinheiro e sobre o montante incidem os juros remuneratórios de 6% até a data do efetivo pagamento.

De acordo com os ministros, a Decoradora Roma está na primeira hipótese — converteu os créditos em ações, mas com erro de cálculo. Dessa forma, não teria direito aos juros remuneratórios. Fonte: Valor Econômico – Por Bárbara Pombo, Valor — São Paulo 10/11/2021

  • 1. TCU pode mudar entendimento e abrir caminho para extensão de desoneração. Leia Mais
  • 2. Judiciário obriga vendedor a cumprir contrato e entregar créditos de carbono. Leia Mais
  • 3. STJ decide a favor da Eletrobras em disputa de R$ 11 bilhões. Leia Mais

Dúvidas? Entre em contato

Inscreva-se para receber atualizações por e-mail.

Nós respeitamos sua privacidade