Tribunais e empresas terão que se adaptar à citação eletrônica

A Lei de Melhoria do Ambiente de Negócios (nº 14.195), publicada neste ano, prevê a citação eletrônica como principal forma de intimação no país. Esse novo modelo demanda adequações por parte dos tribunais e, segundo advogados, as empresas também terão que se adaptar. Caso contrário, vão sentir no bolso.

Segundo consta na nova lei, as citações judiciais serão realizadas em uma plataforma eletrônica. Pessoas físicas e jurídicas terão que informar os seus dados cadastrais e mantê-los atualizados – além de acessar, frequentemente, o sistema. Não acusar recebimento, sem justificativa, pode acarretar multa de até 5% do valor da causa.

“Provavelmente as empresas vão ter que criar um domínio de e-mail específico para isso e concentrar alguns funcionários nessa tarefa”, afirma o advogado João Cople, do escritório Tauil e Chequer.

Os meios tradicionais – Correios ou oficial de justiça, por exemplo – foram reclassificados, pela lei, como formas secundárias de citação. Só serão utilizados se a intimação não for efetivada por meio eletrônico. E, nesse caso, o réu terá que prestar esclarecimentos sobre o motivo da ausência de confirmação.

Tribunais

A citação eletrônica não é novidade. A Lei da Informatização do Processo Judicial, de 2006, por exemplo, já previa esse instrumento. Apesar de estar em vigor, não foi colocada em prática. O Código de Processo Civil de 2015 também traz essa previsão. “Mas se o tribunal não tem recurso financeiro vai continuar com a carta e o oficial de justiça”, diz advogado Leonardo Leite, sócio no escritório Costa, Marfori Sociedade de Advogados.

Ele chama a atenção que o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) instituiu a citação eletrônica no ano passado e diz que o modelo vem sendo praticado por grande parte das comarcas. Em relação aos Estados que ainda não estão organizados, afirma, a implementação dependerá das diretrizes de cada tribunal.

Essa mudança, porém, está sendo questionada no Supremo Tribunal Federal (STF). O PSDB entrou com uma ação direta de inconstitucionalidade (ADI 7005). Fonte: Valor Econômico – Por Beatriz Olivon Brasília 04/11/2021

  • 1. Tribunais e empresas terão que se adaptar à citação eletrônica. Leia Mais
  • 2. STJ poderá abrir caminho para Fazenda reverter derrotas. Leia Mais
  • 3. Partidos vão ao STF contra portaria sobre vacinação. Leia Mais

Dúvidas? Entre em contato

Inscreva-se para receber atualizações por e-mail.

Nós respeitamos sua privacidade

Inscreva-se para receber atualizações por e-mail.

Nós respeitamos sua privacidade

FCR Law – Fleury, Coimbra & Rhomberg Advogados é um escritório de advocacia dinâmico que assessora empresas nacionais e internacionais, empreendedores e investidores nos ramos mais importantes do direito brasileiro. Nós buscamos proporcionar um serviço de alto nível de qualidade e estabelecer relações de longo prazo com nossos clientes e parceiros. Nossa gama de clientes abrange desde start ups tecnológicas até fabricantes internacionais e instituições financeiras.

FCR Law está trabalhando para manter nossos clientes informados e disponibilizar os nossos serviços para auxiliar as empresas neste momento difícil.

Eduardo Fleury, Sócio Fundador

FCR Law – Fleury, Coimbra & Rhomberg Advogados

Rua do Rocio 350, 10º andar

Vila Olímpia, São Paulo – Brasil

+55 11 3294-1600

info@fcrlaw.com.br

Copyright FCR Law 2021 © Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Tarrafa Digital Studio